sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Nascente

por trás do mundo 

imensos mares

e o tempo insistindo em nascer com perfeição



Edemir Fernandes Bagon

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Cérbero


Descolavam das mãos os desenhos coloridos
Pássaros com adornos
Cães em relevo
Céu azul monocromático
E o homem-deus deitado no teto de suas angústias

Edemir Fernandes Bagon

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Renascença


Cabem no tempo
As pedras cristalinas tocadas pelos pés dos anjos sobre as águas dos rios
A espera
Dos que sentem amor por aqueles que nada têm a entregar

Cabem no tempo
O mistério das palavras atrás das nuvens
E o silêncio dos olhos 

Cabem no tempo
Os caminhos perdidos ou deixados dentro do baú das horas
E as histórias inventadas pelo desespero

Cabem no tempo
O sentido e o desejo
O pronome e o nome do mundo

Cabem no tempo
A corda estendida do alto da casa em direção à rua
O menino com a pipa no horizonte

Cabem no tempo
O ainda
O talvez
A saudade e o recomeço


Edemir Fernandes Bagon


Andrew Biraj/Reuters

Menino empina pipa em Cabul, Afeganistão


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Memórias












Pedras guardadas nos caminhos dos esquecidos
Anjos arrastados sobre palavras escritas em pergaminhos
Vinte pássaros de prata em torno de estrelas cadentes
Mistérios de barro e de ferro condenando os olhos dos reis
A cidade em ruínas diante dos réus
A invenção das máquinas de mentir
Corpos escuros e nus amarrados a doutrinas
O homem-estado decepado por espadas de bronze
Os impostos de Saulo cobrados pela solidão
As valas encobertas pelo pó
Sinais e montes invisíveis engolidos vivos pela Loucura
Imensidão da memória


Edemir Fernandes Bagon